sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Oroborus, Fênix, Recomeços e Feliz 2011

Oroborus. Imagem extraída de lunarosa.multiply.com
Bom, quem me conhece sabe que não sou muito dada a romantismos e pieguices, mas acho que nem minha acidez costumeira sai ilesa da influência desse clima de final de ano, bastante propício ao sentimento de reflexão e da sensação da possibilidade de recomeço.

Estava ainda querendo escrever algo para finalizar o conjunto de textos deste ano no blog pois, também quem me conhece, sabe o quanto de carinho tenho por este espaço de expressão e de partilha do que penso.

Conversando com um amigo mui querido sobre isso, ele, que é conhecedor de música e de cultura como poucos, me falou que achava bom o fato de o ano terminar sem ter cumprido todas as metas propostas no início, porque um ano novo que começa oferece essa possibilidade; aí ele falou sobre a oroborus, serpente que engole a própria cauda e é símbolo do ciclo de eterna renovação da vida. Na mesma hora pensei na fênix, pássaro mítico conhecido por seu renascimento das cinzas.

Assim, fiquei pensando no quanto nos é vital essa renovação, de iniciarmos novos ciclos finalizando e fechando outros. O Universo demonstra isso sabiamente todos os dias e noites. Ao mesmo tempo, é interessante observar como há um imaginário coletivo e talvez até arquetípico em que mitologia, religião, espiritualidade e culturas múltiplas se intermisturam e se alimentam de uma maneira fascinante.

Vejam que a oroborus pode ser encontrada em culturas diversas e distantes no tempo e espaço, mas sempre conservando um significado singular de representação do infinito, da imortalidade, da eternidade e do renascimento. Da mesma forma, o renascer é simbolizado pela fênix que, por conta desse conceito de negação da morte, teria sido adotada no início da tradição cristã como representação da ressurreição e da imortalidade. Encontrei, inclusive, várias referências que indicam similaridades entre o mito da fênix e a história do nascimento, morte e ressurreição do Cristo.

Com isso, quero voltar à idéia do quanto nos é vital o ciclo de renovação, a possibilidade de recomeçar, e o quanto isso nos constitui enquanto seres desejosos de podermos reconstruir, refazer, fazer diferente, recompor, enfim, o quanto nos é necessário sonhar, acreditar.

Fênix chinesa. Imagem extraída de sites.google.com
Vejo sem entusiasmo parte dos votos mais comuns entoados nessa época, devidamente inspirados no já tradicional "muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender", bastante apropriado ao senso prioritariamente materialista da nossa sociedade, mas sem brilho, na minha opinião, quando penso no sentido mais amplo e profundo das possibilidades do que pode renascer em um ano novo, do que pode ser transformado nesse ciclo vital de recomeço.

Assim, desejo saúde a todos nós, não para dar e vender, mas para que se possa viver bem, porque como dizem os antigos, o importante é ter saúde, porque "no resto a gente dá um jeito".

Aos que vivem no mundo adulto, desejo que possamos nos preocupar mais em como usufruir do nosso tempo ocioso do que com a falta de tempo para fazer coisas que gostaríamos.

A quem tem amigos, desejo que sejam felizes como eu sou, porque tenho amigos que amo e que retribuem meu amor. Desejo, assim, que possamos ter muitos e muitos momentos partilhados com amigos queridos, porque existem poucas coisas tão prazerosas quanto viver perto de amigos verdadeiros.

Por fim, desejo aos pais e mães como eu que possamos ter mais e mais momentos com nossos filhotes, muito mais do que eles têm para ficar no computador e/ou na televisão. Desejo, além disso, que saibamos cada vez mais equilibrar muito amor com os limites necessários para que eles cresçam sentindo-se seguros e independentes. Desejo, sobretudo, que tenhamos sabedoria para saber que, mais importante do que roupas e sapatos da moda, brinquedos e tralhas eletrônicas de última geração e afins, o que realmente faz uma criança feliz é carinho e atenção e ser feliz ainda é o que realmente importa na vida. 

Feliz 2011!
Jany



Sites consultados:

http://recantodasletras.uol.com.br
http://somostodosum.ig.com.br
http://www.coacyaba.com.br
http://lunarosa.multiply.com

9 comentários:

Vktör Äïjö disse...

Olha até q é bom esse blog !
rsrsrs que muitas conversas nossas constituam matéria prima pras suas reflexões.
virei leitor !
amo te

Carlos Bessa disse...

Longe de mim Janyinha bater de frente com as suas considerações, a questão é que de tantos recomeços eu começei a ficar enfastiado desses "mesmismos" de entra ano sai ano.
Para mim agora, a grande sacada nestas situações é refletir sobre os possíveis desdobramentos daquilo que vínhamos vivendo ao longo do ano que passou e também redefinir as idéias e as atitudes com as quais nos orientaremos ao longo destes muitos anos que temos em desafio pela frente!
"QUE BOAS ÁGUAS E BONS VENTOS NOS CONDUZAM"

Jany Canela disse...

Carlos, comeCei é com c...

Então, pra variar, novamente acho q sua interpretação do q escrevi foi equivocada, afinal, uma coisa é a idéia de recomeços q estou propondo analisar no texto e outra coisa são as "mesmices" de q vc fala.

No meu entender, são coisas de ordens diferentes q vc pôs "no mesmo balaio" para justificar seu "fastio".

Quanto às "boas àguas e bons ventos" não sei, acho um desejo por demais cristão para ser desejado em um espaço q já te disse anteriormente, é multi-espiritual, assim como eu, que desejo ser conduzida não apenas por boas águas e bons ventos, mas também por espíritos, orixás, deuses e todas as entidades q contribuam para que eu possa ser uma pessoa melhor em 2011.

Carlos Bessa disse...

Esta citação é do tempo da marinha de quando os comandantes queriam desejar boa sorte aos tripulantes promovidos na carreira ou que eram designados para outras embarcações, não tem nada a ver com citação bíblica!

Jany Canela disse...

Bom, não acho q por ser popular não esteja inspirada na tradição cristã, assim como muitos ditos, festas e outros 'quetais' da nossa cultura originalmente tupiniquim.

E isso não é problema pra mim, pelo contrário, mas nunca tenho certeza se essa opção por referências espirituais e religiosas múltiplas q quero valorizar aqui está clara para você.

De qq forma, esse não é o foco do q está sendo proposto no texto, ficarei contente se seus próximos comentários neste e em outros textos forem feitos com esse cuidado, como já pedi a você anteriormente.

Diógenes disse...

Lendo seu texto cheguei a uma analogia interessante que coloco como charada para vc:
Qual é a semelhança entre Jesus, Fenix e Jany?
Resposta?

Jany Canela disse...

Nossa Dio, essa sua pergunta soou meio herética até para meus padrões :o

A primeira resposta q me vem, com todas as limitações q possa haver, é a coisa do renascimento simbólico, mas como aprendi no teatro que a primeira idéia deve ser sempre descartada pq normalmente é senso comum, fico sem resposta melhor...

Sua vez ;)

Diógenes disse...

Legal, "a primeira idéia deve ser sempre descartada", não sei se é sempre, mas em certos momentos é válido.
Para esse caso realmente renascimento não é exatamente o caminho, mas também não quero prolongar muito essa história, pois o desfecho pode não ser tão grandioso assim.
O fato é que os 3 indivíduos tem a persistência, que eu prefiro chamar de teimosia...rs

Jany Canela disse...

Dio, confesso q gostei do lance da persistência e, realmente, sou uma teimosa assumida mas sei não viu, nunca pensei na fênix como uma 'teimosa' e acho q se Jesus fosse mesmo teimoso não teria terminado na cruz, afinal, como diz o ditado, vaso ruim não quebra :p

Postar um comentário